SANTA TERESA COUDERC

SANTA TERESA COUDERC 1805-1885
fundadora do Cenáculo

Comemoramos com alegria o Bicentenário de seu nascimento

26 de Setembro, festa de Santa Teresa Couder

Nascida em Le Mas De Sablières, França em 1805 - Em 1826 funda o Cenáculo, juntamente com o padre Estevão Therme - Em 1885 morre em Lyon - Canonizada por Paulo VI em 1970 a Grande Humilde.

 

A Bondade de nosso Deus

 

Há alguns dias tive uma visão que muito me consolou. Foi durante minha ação de graças enquanto fazia algumas reflexões sobre a bondade de Deus… e como não pensar nela nestes momentos, nesta bondade infinita, bondade incriada, fonte de todas as bondades! E sem a qual não haveria bondade alguma nem nos homens, nem nas outras criaturas.

 

Estava extremamente comovida com estas reflexões, quando vi escrito como em letras de ouro esta palavra Bondade, que repetia havia muito tempo com indizível suavidade. Eu a vi, digo, escrita sobre todas as criaturas animadas ou inanimadas, racionais ou não, todas traziam este nome de bondade; vi-o mesmo sobre a cadeira que me servia de genuflexório.

 

Compreendi então que tudo aquilo que estas criaturas têm de bom e todos os serviços e auxílios que recebemos de cada uma delas é um benefício que devemos à bondade de nosso Deus, que lhes comunicou algo de sua bondade infinita, a fim de que a encontremos em tudo e em toda parte. ”

 

Quanto mais a alma se aproxima e Deus, mais fome ela tem de se aproximar dEle.  Quanto mais ela O saboreia e mais gosto sente em saboreá-Lo, mais vê sua miséria e sua imperfeição, e mais aumenta seu desejo de identificação – se tal fosse possível – com a Santidade infinita, fonte de toda santidade e de toda perfeição.

 

Parece então, que a alma não toca a terra senão para experimentar grande desgosto por tudo o que não é Deus.

 

Parece, então, que é com toda a sinceridade que se elevam a Deus estas palavras da Escritura: “Como a corça suspira pelas águas da torrente, assim minha alma suspira por Vós, ó meu Deus! ”

 

Ela, porém, não O encontra tão perfeitamente quanto deseja, pois a união e o gozo não podem ter lugar aqui na terra.

 

Por isso deixei-me levar por esse atrativo do AMOR que é sempre, em mim, dominante e frequente. Reconhecida por tudo o que o bom Deus se dignava me dar, deixei-O agir com Sua graça, sabendo bem que eu nada tinha e que tudo me vinha dEle.

 

“O sentimento de Deus não pode vir senão de Deus”

 

Estas palavras foram para mim um raio de luz e deixaram-me numa grande paz e me fazem bem sempre que me lembro delas.

 

E quanto maior é o desgosto pelas coisas da terra, mais o gosto de Deus se faz sentir à alma.

 

– Mas o que é o gosto de Deus?

 

– É aquilo que se pode experimentar quando Deus quer nos favorecer. Isto não se explica. Pode-se dizer, no entanto, que é um doce sentimento da presença de Deus e de seu amor, que faz a alma experimentar uma grande felicidade e a recolhe toda nele, ao ponto de ter dificuldade em se distrair.

 

Parece, então, que é com toda a sinceridade que se elevam a Deus estas palavras da Escritura: “Como a corça suspira pelas águas da torrente, assim minha alma suspira por Vós, ó meu Deus! ”

 

Ela, porém, não O encontra tão perfeitamente quanto deseja, pois a união e o gozo não podem ter lugar aqui na terra.

 

Por isso deixei-me levar por esse atrativo do AMOR que é sempre, em mim, dominante e frequente. Reconhecida por tudo o que o bom Deus se dignava me dar, deixei-O agir com Sua graça, sabendo bem que eu nada tinha e que tudo me vinha dEle.

 

Malgrado meus pecados e minha profunda miséria – que Nosso Senhor me faz sentir vivamente – experimento frequentemente, na oração, essas consoladoras suavidades de Seu amor e esse sentimento de união íntima, que me deixa num recolhimento tão profundo que preciso me fazer violência para nada deixar transparecer… fazer como os outros.

 

Qualquer outro prazer que não seja o de saborear Deus me é insípido. Um atrativo irresistível leva-me ao recolhimento, ao silêncio... ao esquecimento de tudo que não é Deus. Meu pensamento mais constante se volta para Ele, e o sentimento de minha alma estando como que ligado, atraído por esse grande Objeto, é-me difícil não estar ocupada e presa a Ele…

 

Há dias em que Ele absorve de tal modo minhas faculdades, que nenhuma outra coisa me faz impressão e me toca de qualquer modo.

Parece-me que posso dizer com toda verdade:

MEU DEUS E MEU TUDO!

porque de fato não encontro alegria, nem paz, nem felicidade senão nEle. E como poderemos, de fato, encontrar qualquer contentamento fora dEle e em tudo que não é Ele, pois que Ele é o único Bem, o soberano Bem de nossas almas?

 

Por isso não se tem o desejo de procurar consolação junto das criaturas, quando se experimentou as consolações do Criador. Do contrário a terra se tornaria uma espécie de paraíso antecipado.

 

Só sinto prazer naquilo que pode dar glória a Deus, torná-Lo conhecido e amado.

 

Que Ele me dê um coração terno para com Ele um coração grande e generoso, um coração que não busque senão a Ele não se apegue senão a Ele!

 

Compreende-se cada vez melhor que Deus é o centro de nosso coração que só Ele pode enchê-lo e torná-lo feliz.

 

Parece-me que ele se apoderou do meu coração de tal modo, que me seria impossível amar senão a Ele, desejar senão amá-Lo e Lhe ficar cada vez mais unida.

 

Peço sempre mais a Deus o hábito de sua divina Presença e a união com Ele, pois ele me parece de tal modo o centro de nossa alma, que ela não pode encontrar repouso senão nEle.

 

Por isso tenho fome de pensar nEle, de visitá-Lo, de unir-me a Ele de todas as maneiras possíveis.

 

Este desejo me é habitual; o resto é pesado e causa-me desgosto.

Não me prendo a nada, meu coração não está apegado a coisa alguma que me cerca.

 

– Toda a eternidade me parecerá curta para agradecer uma tão grande graça.

– Não invejo aos Santos sua glória, mas o privilégio de estarem absorvidos em Deus.

 

Se se pudesse invejar alguma coisa à SS. Virgem, eu lhe invejaria morrer de amor. Possamos viver e morrer no AMOR e por AMOR daquele que viveu e morreu por nosso amor.

 

Meu Deus, fazei que eu vos ame como me amastes, que eu vos ame como o mereceis, que eu vos ame no tempo e na eternidade. Senhor Jesus, eu me uno a vosso Sacrifício perpétuo, incessante, universal.

 

Eu me ofereço a Vós por todos os dias de minha vida e por todos os instantes do dia, conforme vossa santíssima e adorável vontade.

 

Fostes a vítima de minha salvação, quero ser a vítima de vosso amor. Atendei meu desejo, aceitai minha oferta, ouvi minha oração.

 

Que eu viva de amor, que eu morra de amor, e que o último pulsar de meu coração seja um ato do mais perfeito amor.

 

ASSIM SEJA!

A Grande Humilde
Deixa-te modelar, seja como o barro nas mãos do
Divino Oleiro!
SOBRE NÓS

Irmãos e Irmãs animados por um mesmo espírito estão unidos para além das diferenças e formam um Corpo. Os membros da fraternidade vivem a espiritualidade do Cenáculo segundo sua vocação de leigos.
Eles constituem:
UM GRUPO DE LEIGOS CRISTÃOS

LOCALIZAÇÃO

​​Rua Nossa Senhora do Cenáculo, 240 - Venda Nova, Belo Horizonte - MG, 31620-200, Brasil

 

Tel.: ​(31) 3451-5022 / (31) 99243-4031

 

cenaculobh@yahoo.com.br

CONECTE-SE

Visitante Nº:

  • Grey Facebook Icon

© 2017 por Irmãs do Cenáculo. Orgulhosamente criado por Rodrigo Corrêa

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now